Brasileira ganha prêmio por ações contra atropelamentos de animais

A brasileira Fernanda Abra acaba de ser agraciada com o prêmio Future For Nature. A conquista reconhece a atuação da pesquisadora ao evitar atropelamentos de animais nas estradas.

Fernanda é bióloga e desenvolveu uma pesquisa sobre a avaliação de medidas para evitar o atropelamento da fauna silvestre durante um mestrado em ecologia pelo Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (IB/USP). O trabalho já rendeu outras premiações internacionais como o Rufford Small Grants e o Neotropical Grassland Conservancy.

 

Desde 2014, a pesquisadora está à frente da ViaFAUNA, que presta consultoria ambiental a empresas. Entre os serviços oferecidos estão soluções para rodovias que visam diminuir o número de atropelamento de animais. Foram estas medidas que fizeram com que Fernanda fosse agraciada pelo Future For Nature.

O Brasil tem 1,720 milhões de quilômetros de estradas e as mortes de animais causadas por acidentes automobilísticos possui um grande impacto na biodiversidade.

Apesar disso, não é a intenção de Fernanda lutar contra a construção de (novas) estradas, mas minimizar seu efeito sobre a vida selvagem por meio do gerenciamento eficiente da terra. Ao projetar, localizar e adaptar as redes rodoviárias, Fernanda pretende minimizar os efeitos negativos e restabelecer a conectividade funcional e estrutural entre os habitats fragmentados por estradas“, descreve o site da premiação.

 

Além da sua atuação à frente da ViaFAUNA, Fernanda é doutoranda no Departamento de Recursos Florestais no Programa de Pós Graduação em Ecologia Aplicada na ESALQ/USP. Em julho deste ano, a bióloga irá defender sua tese sobre colisões entre veículos e mamíferos em rodovias no estado de São Paulo, onde aborda as implicações para a vida silvestre, a segurança humana e os custos para a sociedade.

fonte: https://www.hypeness.com.br/2019/03/brasileira-ganha-premio-por-acoes-contra-atropelamentos-de-animais/

Como usar o mindfulness para reduzir o estresse e melhorar seu cérebro

Vivemos na era da tecnologia e da velocidade e isso tem afetado diretamente nosso cérebro e impactando nossas vidas. Estamos dormindo mal, tendo transtornos de ansiedade e, pasmem, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), 90% da população tem problemas relacionado ao estresse. Por isso, a prática do mindfulness é mais do que apenas uma moda passageira, mas se mostra necessária para que a humanidade mantenha sua sanidade mental.

 

O mindfulness é um conceito moderno que se apoia na técnica da atenção plena, através da meditação e de exercícios práticos. Professores da University of British Columbia reuniram mais de 20 estudos para entender como a prática de esvaziar a mente está afetando nossos cérebros. Não é uma questão de acreditar ou não, já que estudos mostram que oito regiões do cérebro mudam através do da prática constante.

O conceito da meditação é simplesmente incrível, porém não são todas as pessoas que conseguem atingir este estado máximo de relaxamento e concentração. Mas não se assuste, o mindfulness é uma forma mais simples e não menos eficaz de meditar, no qual a gente consegue controlar pensamentos indisciplinados. Separamos algumas técnicas simples que podem te ajudar na prática:

1. Concentre-se na respiração

A respiração possui um papel fundamental em nossas vidas e, apesar de parecer simples, muitas pessoas não ‘sabem’ respirar adequadamente. Sente-se em uma cadeira confortável com os pés apoiados no chão e passe alguns minutos sem fazer nada além de respirar lentamente para dentro e para fora. Concentre toda a sua atenção na sua respiração. Sinta o ar viajar pela boca, descendo pela traqueia e entrando nos pulmões. Então sinta seu corpo se mover enquanto empurra o ar para fora de seus pulmões.

2. Ande

Tudo o que você precisa fazer é se concentrar em cada etapa. Sinta suas pernas se moverem e seus pés baterem no chão. Concentre-se apenas no ato de andar e nas sensações de seu entorno (a brisa fresca, o sol quente ou o cachorro latindo à distância). Quando você sentir outros pensamentos entrando em sua mente, foque-se ainda mais na sensação de caminhar.

3. Sinta o seu corpo

Você nem precisa parar de fazer o que está fazendo para praticar mindfulness. Tudo o que você precisa fazer é concentrar toda a sua atenção no que está fazendo sem pensar no motivo pelo qual está fazendo, o que deve fazer em seguida ou o que deve fazer.

4. Repita várias vezes uma coisa positiva sobre você

Esta técnica funciona pelo mesmo princípio dos mantras. Uma ótima maneira de fazer isso é escolher uma mensagem curta e positiva sobre si mesmo e repeti-la repetidamente a cada inspiração, para manter sua mente no caminho certo. Uma ótima frase de escolha é “eu sou capaz”. A simplicidade mantém você ancorado no exercício e impede que outros pensamentos assumam o controle.

5. Interrompa o ciclo do estresse

Qualquer momento em que você se sentir estressado, sobrecarregado ou preso em alguma coisa é o momento perfeito para praticar a atenção plena. Simplesmente pare o que você está fazendo, deixe os pensamentos irem por um momento e pratique sua técnica de mindfulnessfavorita (respiração, caminhada ou foco nas sensações corporais).

 

Não espere até a próxima segunda-feira para começar a praticar o mindfulness. Ele não apenas impactará sua saúde, como mudará a qualidade do seu sono e diminuirá sua ansiedade e níveis de estresse. Não precisamos de muito para a prática, já que ela pode ser feita mesmo quando estamos no transporte público!

fonte: https://www.hypeness.com.br/2019/03/como-usar-o-mindfulness-para-reduzir-o-estresse-e-melhorar-seu-cerebro/

Os chimpanzés têm cultura e tradições passadas de pai pra filho. E elas estão em perigo

Se antigamente pensávamos que somente o homo sapiens era capaz de produção de cultura fina e sofisticada, hoje é mais do que sabido que os chimpanzés são capazes de verdadeiras tradições, não só desenvolvidas como repassadas entre seus pares e transformadas em hábitos refinados.

Construir ferramentas para práticas como a caça e pesca e encontrar melhorias e soluções para práticas cotidianas (como beber água espremendo musgos ou utilizando folhas como suportes) estão entre as manifestações culturais registradas pelo maior estudo já realizado a respeito da cultura desses animais. O mesmo estudo, porém, aponta com gravidade que toda essa produção cultural está em perigo.

A pesquisa, publicada na revista Science, estudou ao longo de nove anos 144 comunidades de chimpanzés em 15 países do continente africano, e afirma que onde a maior presença e pressão humana na região onde vivem tais comunidades, menor é o desenvolvimento e a conservação de suas culturas.

A ação humana, portanto, está colocando em ameaça de extinção a cultura dos chimpanzés, tão importante para melhor sabermos sobre os grandes símios e também sobre nossa própria evolução. Segundo o estudo, práticas como desmatamento e construção de estradas e edifícios realizadas próximas aos animais reduzem diretamente a produção cultural de tais comunidades.

Assistir o desaparecimento de tradições elaboradas por nossos primos mais próximos, como o uso de lanças para caças, o hábito de empilhar pedras e atira-las contra árvores, técnicas de comunicação, construir camas e abrigos, e muitos outros, é permitir o desaparecimento da mais rica fonte para entendermos nós mesmos. O estudo levantou 31 hábitos dos chimpanzés, e concluiu que tais padrões se reduziam em até 88% quando a atividade humana era próxima e intensa.

A causa está não só na degradação do habitat, na escassez de recursos naturais, mas também na própria sensibilidade e no senso territorial extremos desses animais. A pesquisa defende que os animais possam viver em sítios arqueológicos em nome da manutenção de suas vidas, mas também de suas culturas.

fonte:https://www.hypeness.com.br/2019/03/os-chimpanzes-tem-cultura-e-tradicoes-passadas-de-pai-pra-filho-e-elas-estao-em-perigo/