Matriz do Ceará terá reforço de 325,8 MW de eólicas

A energia eólica deve adicionar à matriz energética do Ceará cerca de 325,8 MW nos próximos anos, segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Estão sendo construídos no Estado mais sete parques eólicos que possuem potência de geração de 138,6 MW, enquanto já foram contratados, porém ainda não iniciados, outros oito empreendimentos totalizando 187,2 MW. O acréscimo representa um crescimento de 17% em relação à potência atual de 1.916,3 MW.

Atualmente, o Estado possui 74 parques eólicos, e com a instalação de mais 15, serão 89 empreendimentos. A potência instalada do Ceará, até junho deste ano, é a terceira maior do País, atrás do Rio Grande do Norte (3.722,45 MW) e da Bahia (2.594,54 MW). A matriz representa cerca de 47,03% do total produzido, que é de 4.074,9 MW, considerando outras fontes de energia, como Usina Termelétrica, Central Geradora Solar Fotovoltaica e Central Geradora Hidrelétrica.

De acordo com a Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), o Brasil tem hoje mais de 13 GW de capacidade instalada, 520 parques eólicos e 6.600 aerogeradores em operação em 12 estados. “Em 2017, foram gerados 40,46 TWh de energia eólica ao longo do ano, um crescimento de 26,2% em relação a 2016. Essa geração representou 7,4% de toda a geração injetada no Sistema Interligado Nacional em 2017, segundo a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE)”, informa a Associação.

Novos investimentos

O Ceará deve receber em breve investimentos da chinesa Goldwind, uma das maiores fábricas de aerogeradores do mundo. De acordo com o secretário adjunto de Energia, Mineração e Telecomunicações da Seinfra, Adão Linhares, no início deste mês houve uma reunião em que foi apresentado o projeto da empresa em que inclui a recuperação de alguns parques eólicos de propriedade da Energimp.

“A minha participação neste encontro foi mais para encorajar e dar boas vindas aos dois empreendedores. Naturalmente a Goldwind vai se posicionar com alguma fábrica no Brasil e nós gostaríamos muito que fosse aqui no Ceará”, destacou.

A Goldwind deve oferecer soluções técnicas para os parques da Energimp no Ceará, localizados no Litoral Leste. A parceria, segundo Linhares, vai garantir estabilidade operacional aos parques, colocando em funcionamento máquinas que hoje se encontram fora de operação. “Será um investimento muito importante para o Ceará. A recuperação desses parques eólicos alavancará mais empregos e significa mais energia limpa gerada no Estado”, afirma.

Futuro

De acordo com o secretário adjunto, o futuro da energia eólica no Ceará é de crescimento. “E nós temos que aproveitar todos os potenciais. As ações e políticas de atração de investidores para a cadeia produtiva é feita pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE). Com relação aos parque, o Estado tem que demonstrar que este potencial é viável”.

Segundo ele, para além do litoral cearense, o Interior do Estado é um dos pontos estratégicos para o desenvolvimento do setor. “Essa demonstração de potencial no Interior, principalmente nas chapadas do Apodi e Araripe, tem mostrado que a gente tem muito a andar”.

Adão Linhares ainda afirmou que o Estado estimula a implantação de parque e cria uma atratividade para que os empreendimentos sejam instalados. “Mas precisamos trabalhar para que as linhas de transmissão estejam disponíveis. Nós trabalhamos juntamente com o governo federal para antecipar os leilões e atrair os investidores. É um papel de indutor desse processo, gerando credibilidade no mercado”, acrescentou.

Recordes

Na Região, a geração eólica tem quebrado importantes recordes, segundo o Operador Nacional do Sistema (ONS), atendendo mais de 60% da carga em alguns dias. “O último recorde de geração foi no dia 14 de setembro de 2017, com uma geração de 6.413 MWmédio, o que representa 64% da carga do Nordeste foi atendida por geração eólica naquele dia.

Os recordes são registrados na época que chamamos de ‘safra dos ventos’, que vai mais ou menos de julho a novembro”, segundo a Abeeólica.

No que se refere ao consumo do Brasil todo, ressalta a instituição, “é importante mencionar que, em agosto, as eólicas atingiram pela primeira vez os dois dígitos na matriz daquele mês, abastecendo 10% do País na média do mês todo. Em setembro, esse valor foi de 11%”, acrescenta a Abeeólica.

Abastecimento

O total produzido mensalmente em todo o País é suficiente para abastecer mais de 22 milhões de unidades residenciais, o equivalente a cerca de 67 milhões de habitantes. “Para comparação: a energia gerada pela fonte eólica em 2017 foi capaz de fornecer energia elétrica residencial a uma população maior que a de todo o Nordeste (mais de 57 milhões de pessoas)”.

Segundo a Abeeólica, até 2023 serão mais 4,8 GW e mais de 200 novos parques eólicos, considerando os leilões já realizados. (HRN)

Fonte: Diário do Nordeste

Frota global de veículos elétricos deve triplicar em dois anos

Relatório da Agência Internacional de Energia aponta forte expansão dos veículos elétricos nos próximos anos

Carros da Tesla e modelos como o Leaf, da Nissan, devem se tornar mais populares nas ruas do mundo todo nos próximos dois anos, segundo a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês).

A frota global de veículos elétricos deve triplicar, para mais de 13 milhões de unidades, até o final da década, ante 3,7 milhões que estavam rodando em 2017, segundo relatório divulgado nesta quarta-feira (30) pela instituição, que tem sede em Paris e foi criada para aconselhar os países industrializados em políticas energéticas. As vendas podem subir 24% por ano, em média, até 2030.

Os dados ilustram a velocidade com que o sistema de transporte do mundo está mudando para combustíveis mais limpos à medida que os governos se concentram em limitar a poluição e os gases do efeito estufa. A Tesla e a Nissan têm alguns dos veículos elétricos mais vendidos atualmente, mas grandes fabricantes de automóveis, das alemãs Volkswagen e Audi à norte-americana General Motors, seguem o exemplo e já anunciaram dezenas de versões movidas a bateria de seus modelos.

“Os desenvolvimentos políticos dinâmicos que estão caracterizando o mercado de carros elétricos deverão mobilizar investimentos na produção de baterias, facilitando a redução de custos e assegurando que a produção de baterias ocorra em escalas que excedam significativamente o que foi visto até agora”, disse Pierpaolo Cazzola, analista de transportes e energia da IEA e um dos autores do relatório.

Aqui estão algumas das principais conclusões do relatório da IEA:

O governo chinês estabeleceu uma série de políticas para incentivar os veículos elétricos, parte de um esforço para reduzir a poluição do ar em cidades sufocadas pela poluição. Em 2017, o governo de Pequim estabeleceu os requisitos mínimos para montadoras nacionais na produção de veículos elétricos por meio de um sistema de negociação de crédito. Também estendeu uma redução tributária de 10% para os consumidores até 2020.

Os carros elétricos funcionam com baterias carregadas por usinas elétricas, em vez de gasolina ou diesel. Com uma estimativa de que 130 milhões de veículos leves rodando no mundo até 2030, a IEA estima que 2,57 milhões de barris de petróleo diários se tornarão desnecessários. É a quantidade que a Alemanha usa todos os dias. No ano passado, a frota global de veículos elétricos diminuiu em 380 mil barris por dia a demanda, cerca de metade do que a Bélgica consome.

A estimativa da IEA é mais forte do que a expectativa da Bloomberg New Energy Finance, de que 2,23 milhões de barris por dia sejam retirados do mercado por veículos elétricos até o final da próxima década.

A demanda por baterias deverá aumentar em 15 vezes até 2030, em grande parte impulsionada por veículos leves, como carros e vans. O crescente mercado da China deve representar metade da demanda mundial, seguido pela Europa, Índia e Estados Unidos.

Isso significa que o mundo precisa de muito mais fábricas de produção de baterias, como a Gigafactory, que o bilionário dono da Tesla, Elon Musk, está construindo no estado de Nevada, nos EUA. A fábrica leva a palavra “giga” em seu nome, que significa “bilhão”. Ela produzirá 35 gigawatts-hora (GWh) de baterias em uma área de 950 mil metros quadrados.

O desafio da matéria-prima limpa

Haverá 1,5 milhão de ônibus elétricos em uso no mundo até 2030, acima dos 370 mil do ano passado, de acordo com a IEA.

Quase 100 mil ônibus urbanos foram vendidos no ano passado, 99% deles na China. A cidade chinesa de Shenzhen lidera o grupo com uma frota de ônibus totalmente elétrica. Várias cidades da região nórdica da Europa, como Oslo, Trondheim e Gotemburgo, também têm ônibus elétricos em operação.

O cobalto e o lítio são ingredientes-chave nas baterias recarregáveis que alimentam veículos elétricos, bem como diversos eletrônicos, de smartphones a notebooks. A demanda poderia aumentar em até dez vezes, mas os avanços tecnológicos e os ajustes na química das baterias também poderão reduzir significativamente isso.

Como cerca de 60% do cobalto mundial é extraído na República Democrática do Congo, onde o trabalho infantil ainda existe, as fabricantes de baterias estão sob pressão para mostrar que seus produtos são fabricados de forma sustentável. Isso pode funcionar como um incentivo para se distanciarem das baterias fortemente dependentes de cobalto.

Fonte: Gazeta do Povo | Anna Hirtenstein | Bloomberg

Financiamento para geração de energia solar ganha novas condições

Os financiamentos para aquisição de sistemas de geração de energia solar fotovoltaicas estão com condições especiais para pessoas físicas interessadas em investir em energia renovável.

Com prazo de pagamento para até oito anos e possibilidade de financiar 100% do valor do projeto, as taxas anuais estão estimadas em 5,43% para as regiões Norte e Nordeste e 6,40% para o Centro-Oeste.

Só este ano, o Ministério da Integração Nacional já garantiu mais de R$ 3 bilhões para projetos de geração de energia solar com o objetivo de impulsionar o segmento. O anúncio foi feito pelo ministro Pádua Andrade nesta terça-feira (12).

De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), entidade que reúne a cadeia produtiva do setor, Brasil tem hoje 24.565 sistemas de mini ou microgeração distribuída, dos quais 99% deles são baseados em placas fotovoltaicas.

De acordo com pesquisa publicada pelo DataFolha, em 2016, cerca de 80% dos brasileiros querem energia solar fotovoltaica em casa, desde que tenha acesso a financiamento competitivo.

A demanda levou o Ministério da Integração Nacional a criar linhas de financiamento para os Fundos Constitucionais das regiões Norte (FNO), Nordeste (FNE) e Centro-Oeste (FCO).

Além de condições atrativas para financiar, quem investir na aquisição das placas poderá até ceder o excedente para a operadora de energia e acumular créditos.

A expectativa é de que sejam realizadas, pelo menos, 10 mil operações este ano. Com a redução no orçamento familiar com o consumo de energia, a iniciativa também deverá fortalecer com fontes renováveis a matriz energética das regiões beneficiadas.

Integração do Rio São Francisco
Como as tecnologias de geração fotovoltaicas podem reduzir em larga escala os gastos com energia, o Ministério da Integração Nacional também avalia viabilizar seu uso no Projeto de Integração do Rio São Francisco.

“Cerca de 80% do custo de operação do sistema é com energia. Com apoio da Absolar, nossos técnicos estão desenvolvendo estudos de viabilidade para adotar essa tecnologia, não só no Projeto São Francisco, mas nos perímetros de irrigação mantidos pela Codevasf”, declarou o ministro Pádua Andrade.

O tema ainda foi tratado pelo ministro em reunião com membros do Ministério Público Estadual da Paraíba (MPPB), na última segunda-feira (11).

Na ocasião, foram detalhados estudos do Ministério da Integração Nacional para o uso da energia alternativa. Participaram o procurador-geral do estado, Francisco Seráphico, e o procurador de justiça Francisco Sagres.

Fonte: Ambiente Energia