Programa de incentivo a startups receberá R$ 10 milhões

O Programa Nacional Conexão Startup-Indústria foi apresentado, nesta quinta-feira (15), pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic). O programa busca aproximar as indústrias e startups do País e, neste ano, contará com investimentos de R$ 10 milhões. A iniciativa, elaborada pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), deverá ser lançada nos próximos meses.

“O futuro do Brasil passa pela inovação. Todos os países desenvolvidos já avançaram nesse tema e estão na nossa frente. Este é o pontapé inicial de um grande projeto para o País”, destacou Marcos Pereira, ministro da pasta.

Segundo Marcos Pereira, o governo do presidente Michel Temer está empenhado com o conjunto de mudanças estruturais necessárias para o País voltar a crescer economicamente. “O Custo Brasil é elevadíssimo. Precisamos modernizar as leis trabalhistas e aprovar o teto de gastos públicos”, disse.

Para o presidente da ABDI, Guto Ferreira, o Programa Nacional Conexão Startup-Indústria tem o mérito de reconhecer a importância dos empreendedores nacionais. “O Brasil não pode perder mais cérebros. Esperamos que, com as ações deste programa, o País aumente sua competitividade e a indústria passe a contar com soluções tecnológicas desenvolvidas dentro de casa, e não mais no exterior”, afirmou.

Em 2016, a ABDI investirá R$ 10 milhões de seu orçamento no Programa Conexão Startup-Indústria. Como apontou Guto Ferreira, a expectativa é que novos parceiros apoiem a iniciativa. “Nós teremos conversas neste sentido com a presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento [BNDES], Maria Silvia Bastos, e com o novo presidente da Finep, Marcos Cintra”, disse.

Para a gerente de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, Elisa Carlos Pereira, a apresentação do programa é o “primeiro passo de uma longa caminhada” que será moldada com a participação da indústria e dos empreendedores nos próximos meses. “Hoje, nós lançamos a pedra fundamental do programa. A ABDI escolheu uma metodologia ágil e responsiva, que inclui a opinião dos players dos mercados envolvidos”, disse.

Fonte: Portal Brasil, com informações do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços