Geração de energia solar está em alta

A energia solar é a bola da vez. Dois novos empreendimentos de geração fotovoltaica compartilhada começam a operação nos dois primeiros meses de 2017 em Pernambuco. Em Gravatá, a Insole instalará a planta Solar Vencer, a primeira usina fotovoltaica no modelo condomínio solar para autoconsumo remoto. A usina ocupará uma área de 10 mil metros quadrados e terá a capacidade de geração de 4,3 milhões kW/ano. O outro projeto é a a fazenda solar Tacaimbó do grupo Global Sun instalada numa área de 300 hectares, cuja capacidade total instalada é de 200 megawatts médios. A expectativa é de geração de 310 kW nesta fase do projeto, cujo investimento previsto é de R$ 700 mil.

O parque solar da Global Sun entrará em operação em meados de janeiro. A empresa transformou uma propriedade agrícola em fazenda de geração solar fotovoltaica. O diretor da empresa, Pedro Nunes, explicou que o formato de geração compartilhada permite que os clientes (pessoas juirídica e física) contratem empresas especializadas para gerar energia num ponto distante da unidade de consumo, jogar na rede da distribuidora de energia (Celpe), e obter o desconto na conta de luz. Segundo ele, a primeira etapa do projeto vai atender a demanda de quatro clientes empresariais.

RETORNO

Pelas projeções da Global Sun, uma empresa de pequeno porte gasta em torno de R$ 200 mil para instalar um parque de geração solar fotovoltaica. O retorno do investimento é estimado em 5 anos e meio com a economia na conta de energia. Nunes explicou que o contrato de arrendamento com a Global Sun inclui a instalação e a manutenção dos equipamentos da usina. A taxa de arrendamento corresponde a 5% do valor mensal de geração. “É um investimento feito agora para se despreocupar com as oscilações de preço de energia no futuro”. A empresa oferece também projetos para pessoa física (grupos de 20 pessoas) no formato condominial com a potência mínima de geração de 50 kW/mês.

A planta Solar Vencer da Insole, em Gravatá, fornecerá energia para uma rede de academias de ginástica e outra de lanchonetes com unidades no Recife. O projeto completo prevê a instalação de 1.100 placas fotovoltaicas com a capacidade de geração de 4,3 milhões kW/ano. De acordo com o diretor executivo da Insole, Ananias Gomes, os clientes poderão acompanhar remotamente a geração de energia solar da usina. “O cliente não paga para aderir a esse novo modelo de negócio e ainda obtém descontos na sua conta de energia, garantindo o preço antecipadamente já que a energia gerada pela usina é conectada à sua rede elétrica”. A previsão de funcionamento é a segunda quinzena de fevereiro do próximo ano.

Segundo Ananias, a Insole pretende lançar no próximo ano mais 20 projetos de usinas fotovoltaicas nos municípios de Belo Jardim, Arcoverde, Garanhuns, Itacuruba e Floresta. Todos os projetos em parceria com outros investidores utilizarão tecnologia com estrutura de rastreadores solares aumentando assim a eficiência e a geração das usinas. O executivo não informou os valores dos investimentos.

Outro projeto de geração solar fotovoltaica em construção no estado é o condomínio solar Asa Branca, localizado em Caruaru. O empreendimento das empresas EngeSol Renováveis e ALS Prospecções é voltado para atender exclusivamente as unidades residenciais. Os clientes interessados comprarão lotes com a capacidade de geração de energia que varia entre 400 e 800 kWh/mensais. A expectativa é que o condomínio entre em funcionamento em três meses. A área tem a capacidade de produzir cerca de 21 mil kWh por mês, o suficiente para abastecer mais de 180 residências.

Fonte: Rosa Falcão | Diário de Pernambuco