Ceará tem potencial para 6 usinas de dessalinização

O Ceará tem potencial para receber em sua costa seis usinas de dessalinização da água do mar. Esse foi um dos pontos citados pelo técnico de Projetos, Construções e Montagens de uma estatal, Roberto Viana Dantas, em sua apresentação realizada ontem, na sede da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), durante a 56ª reunião ordinária da Câmara Setorial de Energias Renováveis do Estado do Ceará (CSRenováveis-CE).

Segundo Dantas, essas usinas poderiam ser construídas nas regiões dos municípios de Acaraú, Trairi, Pecém, Fortaleza, Beberibe e Icapuí. O técnico ainda apontou que a água das usinas seria distribuída através da construção de uma malha de adutoras lançada na faixa de domínio das rodovias estaduais (CEs).

Dantas já enviou a sugestão ao gabinete do Governo do Estado, à Secretaria de Recursos Hídricos (SRH) e à Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece), juntamente com outra proposta, que aponta o potencial de geração de energia solar em áreas sujeitas à desertificação.

De acordo com o técnico, o Ceará possui aproximadamente 11% de seu território (cerca de 16 mil km²) de áreas propensas à desertificação, que poderiam ter o seu potencial avaliado para a instalação de plantas solares.

Edital

O governo do Estado já havia lançado no dia 13 de março um edital para Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) a fim de selecionar a empresa responsável por elaborar os estudos para uma usina de dessalinização na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF).

O Executivo estadual prevê que a planta comece a ser construída no segundo semestre do próximo ano e entre em operação apenas no ano de 2020, devendo custar, em média, R$ 500 milhões à empresa que vencer a licitação para o investimento.

Parque Eólico Offshore

Roberto Viana Dantas também destacou em sua apresentação na Fiec a potencialidade da costa de Paracuru para a recepção de investimentos em torres eólicas offshore (no oceano).

A ideia seria aproveitar a infraestrutura da plataforma de exploração de petróleo da Petrobras localizada na região – que engloba os ativos da estatal que já foram anunciados à venda para a iniciativa privada – como parte da infraestrutura necessária para a criação de um parque eólico no mar.

O vice-presidente da CSRenováveis-CE, Adão Linhares, entretanto, contesta esse ponto, dentre outros motivos, por a estrutura já ser bastante antiga, com cerca de 35 anos de atividade. “Como não foi feito nenhuma avaliação técnica, eu não acho viável. A ideia é muito boa, no sentido de despertar essa avaliação”, destacou.

Vestas

A reunião da câmara também contou com a exposição do head of Public Affairs for South America da Vestas, Adriano Leite de Barros, que apresentou alguns números de balanço da unidade da produção de aerogeradores da empresa, situada em Aquiraz, inaugurada em janeiro de 2016. A fábrica encerrou o ano passado com mais de 130 funcionários diretos e produziu um total de 150 turbinas.

De acordo com Adão Linhares, a apresentação de ontem na Fiec fez parte das intenções da empresa de prospectar mais fornecedores locais. “Eles querem transformar o entorno da fábrica deles num grande espaço de fornecedores. A pretensão deles é que eles, de repente, não precisem mais importara nada”, salientou o vice-presidente da CSRenováveis-CE.

Fonte: Diário do Nordeste